domingo, 21 de agosto de 2011

Velha Cara Nova

Buenas!

Mais um post para explicar mudanças...

Na verdade estamos em obras, visando uma evolução natural da página. Até tentamos algo mais dinâmico (por uma meia hora), mas nossos conhecimentos inexistentes em edição de html não são avançados. Mas tá ficando bonito!

Faz mais de um ano que o Ezequiel mantém o blog praticamente sozinho e que eu contribuo eventualmente, então, como nossos camaradas desistiram mesmo do blog, deixamos seus links lá no pé da página, num cantinho da memória, para honrar seus dias de contribuição.

O projeto original está mudando também, pois quando iniciamos este espaço, a ideia era falar sobre música, teatro, cinema e outros bichos, o que está meio que em segundo plano, agora que estamos pegando gosto pelo tal do "bicho" conto. Vamos ver onde chegaremos (ou não).


***

Duas horas da manhã pode não ser um bom horário para tentar esperar um ônibus em uma cidadezinha do interior do estado. Aliás, em qualquer cidadezinha de interior em qualquer canto do planeta. Mas eles perseveravam e aguardavam que uma condução cruzasse pela via mal iluminada e os levasse para o outro lado da cidade.
Aguardaram em mórbido silêncio, até que por volta das quatro da manhã um daqueles coletivos antigos, lá da década de cinquenta apontou na esquina, vindo a parar no ponto para que os dois embarcassem.
Eles olharam para o velho homem ao volante, que acumulava a função de motorista e trocador, e após olharem-se, decidiram embarcar. O condutor acionou a alavanca para fechar a porta, que fez um barulho tão forte ao realizar o movimento que parecia preste a desintegrar-se na próxima vez que fosse acionada.
O ônibus partiu e desapareceu em meio à neblina na primeira esquina.